sexta-feira, 22 de abril de 2011

O criminoso Jesus de Nazaré

Pouco depois de fazer a janta da Páscoa judaica com seus colaboradores mais próximos, conforme previsto a todo judeu (Êxodo 12,1-28), Jesus de Nazaré parte para um local denominado Horto das Oliveiras, onde irá refletir sua condição humana.
Durante a semana final de sua vida, Jesus incomodou todas as autoridades políticas e religiosas. Acusado de heresia, mas com grande simpatia do povo devido a seus milagres e sua aproximação com os simples, as autoridades colocaram em prática um plano inteligente para sua prisão: capturá-lo pela noite.
A captura de Jesus pela noite foi um golpe midiático da época. Caso Jesus fosse preso durante o dia, o povo se revoltaria mais fácil. Caso Jesus já amanhecesse preso, o povo já o veria como um criminoso e a reação seria muito diferente. Não haveria uma passagem. Mas sim uma propaganda de apontamento.
Outro duro golpe para quem acreditava em Jesus é que ele foi condenado pela lei. Ou seja, dentro da lei judaica, Jesus era um criminoso. Para aqueles que amanheceram com a notícia de que o suposto Messias aparecera preso, foi duro ver seu julgamento e perceber que ele havia transgredido as leis da época.
Jesus de Nazaré, o carpinteiro considerado o Salvador do povo judeu: um criminoso. Com sua condenação, articulada pelos poderes políticos e religiosos da época, percebe-se que nem todas as leis são justas. O legalismo, ainda presente na sociedade atual, condena e mata fisicamente e psicologicamente a Jesus de Nazaré e a quem se deixa questionar e transgredir as leis.
Ao ressuscitar, no terceiro dia, Jesus de Nazaré expõe ao ridículo toda a estrutura que o condenou. A política e a religião institucionalizada são frágeis agora perante a um criminoso que voltou a viver. Porém, Jesus não devolveu na mesma moeda: ressuscitou de madrugada, esperando que os corações das pessoas possam perdoar seu crime e verificar que as leis nem sempre são justas e colaboram com o ser humano!
Que nessa Páscoa possamos refletir quais estruturas de nossa sociedade ainda provocam a morte e a opressão e de que modo podemos operar uma revolução de vida e dignidade!


2 comentários:

  1. Excelente texto Nahor!

    A páscoa de Cristo é liberdade ao oprimido, isto significa, reagir contra os poderem que oprimem e denigrem a dignidade humana.

    Parabéns e que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  2. Jesus, pregou o amor... foi caluniado e condenado pelo povo através dos poderosos que com medo de perder o poder fizeram-nos acreditar nas mentiras...
    LULA e Dilma, ofendidos, caluniados e condenados, ao contrário de outrora tiveram o julgamento sim, mas a grande maioria não acreditando nos poderosos deram a eles a oportunidade de pregar a justiça, o amor.

    ResponderExcluir